20 novembro 2010

A pяεรรค é ¡ห¡м¡gค dค pεяcεpçãσ!

Autora: Psicóloga Susan Andrws.
Será que podemos desacelerar num mundo viciado em velocidade? Uma antiga fábula francesa conta que um menino chamado Pedro não gostava da escola e torcia para que as aulas acabassem logo. Ele nunca conseguia curtir aquilo que estava fazendo e sempre ansiava pela próxima coisa. No inverno, desejava que fosse verão. No verão, queria a acolhedora lareira do inverno. Mas do que mais gostava era brincar com a amiga Liese, com quem queria se casar um dia.
Certa vez, caminhando pela floresta, viu uma anciã emergir das árvores segurando uma bola prateada da qual pendia um fio dourado. “O que é isso?”, ele perguntou. “Isto é o fio da sua vida”, respondeu ela. “Se você quiser que o tempo passe mais depressa, é só puxar um pouquinho o fio, e uma hora passará como se fosse um segundo. Mas quero alertá-lo: uma vez que o fio tenha sido puxado, ele não pode ser enfiado de volta.” Pedro pegou a bola alegremente. Que presente mais perfeito!
No dia seguinte, enquanto Pedro divagava sobre seu fio mágico, a professora lhe deu uma bronca por não estar prestando atenção. “Queria que já fosse hora de voltar para casa”, pensou Pedro, quando sentiu a bola prateada no bolso. Cuidadosamente ele puxou um pouquinho do fio. De repente, a sineta tocou e a aula acabou. Pedro correu feliz para casa. Como seria fácil a vida dali por diante! Assim ele começou a puxar o fio um pouquinho por dia. Mas numa noite Pedro pensou que, se desse uma puxada um pouco maior, a escola acabaria de uma vez e logo poderia se casar com Liese. Então deu uma puxada maior e, de manhã, acordou para se dar conta de que era um carpinteiro. Quando o dia do pagamento parecia muito distante, Pedro dava uma puxadinha no fio e logo tinha dinheiro no bolso.
Certo dia, Pedro perguntou a Liese quando se casariam. “Daqui a um ano estarei pronta”, disse ela. Naquela noite, não conseguindo dormir, ele puxou o fio dourado debaixo do travesseiro. Pela manhã percebeu que um ano havia passado e ele poderia casar com Liese. Agora se sentia verdadeiramente feliz.
Depois que seu primeiro filho nasceu, Pedro sentiu que não precisava de mais nada na vida. Mas, sempre que a criança adoecia ou chorava, ele dava uma puxadinha no fio. Aí veio uma fase em que os negócios ficaram ruins. Felizmente, Pedro tinha a bola mágica, e podia puxar o fio sempre que quisesse. Mas um dia ele viu, surpreso, que o fio dourado havia se tornado prateado. Olhou para o espelho e notou que seus cabelos estavam grisalhos e o rosto enrugado. Subitamente sentiu medo, e decidiu puxar o fio com mais cuidado.
Liese deu à luz mais crianças e a casa ficou lotada. Pedro pensou ansiosamente como seria mais fácil se seus filhos já fossem crescidos. Deu um grande puxão no fio, e no dia seguinte seus filhos já haviam saído de casa. Ele e Liese estavam sós. Seu cabelo estava totalmente branco e suas costas doíam. Com desalento, viu que o fio mágico se tornara cinza e sem brilho. Decidiu, então, dar uma caminhada na floresta.
 De súbito, uma voz surgiu das árvores, “E aí Pedro, você teve uma boa vida?”. Era aquela anciã! “Por causa da sua bola mágica, nunca tive de sofrer ou esperar por nada na vida”, respondeu Pedro. “Mesmo assim, tudo passou tão rápido! Seu presente não me deu boa fortuna.” “Então peça algo”, disse ela. Pedro murmurou: “Eu gostaria de viver minha vida novamente, mas sem a bola mágica. Quero poder experimentar tanto as coisas boas como as ruins, para que a minha vida não seja tão sem significado como um devaneio”. Ele devolveu a bola prateada e, exausto, fechou os olhos.
Quando acordou estava na sua própria cama. Sua mãe o sacudia, dizendo: “Você vai chegar atrasado à aula”. E, quando Pedro caminhou até a escola com Liese, reparou que era uma linda manhã e em quanto se sentia feliz por estar vivo.              
Com a bola mágica, Pedro poderia acelerar o tempo. Mas para quê?


12 comentários:

Silene Neves disse...

Nathy Querida!

Você é maravilhosa! Adoro suas postagens! Essa que acabei de ler... me tirou lágrimas dos olhos! Para quem estava doente... sem poder sair da cama... o tempo é algo muito precioso... viver e estar com quem amamos é tudo nessa vida! Mas... para quê a pressa não é mesmo?!? Sabe... nos últimos dias... semanas... pude sentir o quanto é importante viver um dia da cada vez! Mesmo que doente!

Agradeço pelo carinho e pela presença em meu blog!Estou bem melhor!

Você é importante em minha caminhada... adoro vc!

Beijo com carinho
Sil
Sempre aqui

Tenha um lindo fim de semana... e dias de muita paz!

Max Psycho disse...

Eu particularmente alguns momentos gostaria de atrasar a linha do tempo, ou até mesmo paralisa-la, porém em outros eu queria que ela acelerasse, mas estas coisas pertencem ao nosso querido DEUS, Ele sabe quanto tempo suportamos tais coisas, bjus gata e parabéns pela postagem

Thiago disse...

Oi Nathy!

Excelente texto! Nós faz refletir o quanto é importante viver um dia de cada vez, aproveitando cada momento pois são únicos. Me lembrou o filme CLIC, com Adam Sandler, o mesmo do PAIZÂO.
Notei algo; dá uma olhadinha com calma e vai perceber que o penultimo paragrafo está invertido. Pronto, falei!

Obrigada pelo carinho e pela visita!

Beijo,

Thiago

หคтнყ disse...

Boa observação...
Este texto tirei de uma revista.
e fui digitando em partes.E deu esse erro. Mas jah foi corrigido.
Obrigada!

Nubia disse...

GOSTEI GOSTEI GOSTEI A NATHY É LINDAAA AMIGAAA MELHOOR.

Bjão

Rick disse...

Nossa!
Esse texto é profundo e verdadeiro!
Precisamos desacelerar...
Adorei!

Beijos! :D

Malu disse...

Oi , Nathy !


Obrigada pela presença e carinho.

Muito legal seu blog e esse texto
é excelente ...


BjO grande e Te Sigo também ... :)

ઇઉ Nárgela Bueno ઇઉ disse...

que a hisotira em Nathy,as vezes apesar de postar algumas coisas pelo fato de achar que as coisas ruins poderiam passar depressa,acabo por pensar que é melhor assim,pois não temos como voltar o ciclo da ''bola magica''

Max Psycho disse...

Bju grande meu anjo e ótimo fim de semana

Augusto Barros disse...

Lindo aqui!
Ótimos pensamentos!

Palavrácido disse...

Que postagem maravilhosa Nath! Me fez pensar, que muitas vezes, eu também necessito que o tempo passe, mas ai uma martelada cai sobre minha cabeça ressaltando "você precisa viver isso, aprender, sofrer e crescer, para não fazer de novo ou fazer melhor" sabe, os solavancos que a vida nos dá, não é a toa. Gostei do texto, estou sempre a te admirar nobre amiga.

Atenciosamente sempre aqui a passear,
Dan

Nathaly... disse...

As veses queremos q o o tempo passa voando para q uma certa situaçao acabe logo ou um dia especial chegue mais perto ...mas a vida e feita de pequeno momentos tristes e felizes e sem els nada faria setindo ...por iso temos q aproveitar cada segundo...amei a historia ...