22 janeiro 2017

Não precisa ser empatia

percepção
substantivo feminino
  1. 1.
    faculdade de apreender por meio dos sentidos ou da mente.

    "p. da temperatura"
  2. 2.
    frm. consciência (de alguma coisa ou pessoa), impressão ou intuição, esp. moral.

    "ensinar a p. do bem e do mal"


 O barulho do trem abafava seu choro desesperado a qual já estava discreto. Em frente da porta a qual iria descer na próxima estação, olhei pra trás e a vi. Sentada no banco com as mãos impostas ao útero, como se pudesse se comunicar com aquilo que estava de intruso.  Com  olhar inchado, não se preocupou em se "recompor" da cara feia que o choro lhe proporcionava.  Meu pai fala que me comovo muito fácil, sou uma manteiga derretida e que preciso criar mais malícia. Não me contive e fui falar com ela antes da minha estação chegar. 
 _ Você está com cólica? Tenho remédio na bolsa.

 Ela não conseguiu pronunciar um (Não), simplesmente chorava, nem limpar as lágrimas com a manga da blusa ela o fez. 

_ Quer ajuda? ( Acho que na outra vida fui uma Madre Tereza ) 

  Fechou a boca como se quem escondesse um segredo e balançou  a cabeça de forma negativa. Parou de chorar. Se recompôs. Me agradeceu com os olhos. Voltei para a porta, tinha chegado na estação. A olhei pela última vez e me encarava como quem diz " Obrigada, mas você não pode fazer nada". 




Fiquei feliz, ao menos  por um momento ela parou de chorar. 

18 comentários:

Luccas disse...

Olá,Nathalia! Como você está? Eu li seu comentário e vi que você tocava oboé e teria alguma diferença entre a flauta e o oboé? Seu texto é bem conceitual e não foge das expectativas do que você queria passar e eu digo,esse texto me deixou um pouco triste pois eu sou uma pessoa que não gosta de ver outras pessoas chorando sem ao menos eu poder ajudar e é muito sufocante ver a dor do outro e não poder ajudar. Ótimo texto!

Beijos ♡
| reckless | e Hematomas

Suzete Brainer disse...

Querida Nathalia,

Este é um sentir solidário da irmandade humana e
cada vez mais raro.
Acho que em outra vida tu não fostes Madre Tereza (rss...),
mas na mesma sintonia de uma bela humanidade; sim e
ainda bem...
O mundo cada vez mais povoado de pessoas áridas,
hostis e egocêntricas.

Aprecio muito o teu estilo de escrever e escreva
cada vez mais, viu?...rss

Uma semana fértil de inspiração e alto astral para ti!
Um xerô

Wellington Maia disse...

Poucas pessoas vão entender a profundidade de suas palavras. Mas os poucos são muitos. Continue assim.

Amanda Souza disse...

Somos tantos e, ao mesmo tempo, somos tão sós. De fato nem sempre podemos ajudar, mas só de estarmos dispostos, já quebramos o padrão de não enxergar o outro. Tristes, mas lindas palavras.

Beijo.

hiperbolismos.blogspot.com

Sams Felix disse...

Que bonito você ter essa sensibilidade de perceber a dor na outra pessoa, acho que falta tanto isso no mundo. Acabei de te conhecer e adorei a profundidade do que você escreve <3

Bruna Morgan disse...

Nunca vi alguém chorar na rua, mas caso aconteça, também não conseguirei ignorar ):

Bia Hain disse...

Oi, Nathalia, achei tão bacana sua atitude, de ir até a moça e oferecer ajuda... às vezes só o fato de perceber que alguém olhou para o nosso sofrimento, se importou conosco, mesmo que não possa resolver a questão, já ajuda muito, pelo menos eu dou um valor enorme para isso. Tenho certeza que em um momento de maior tranquilidade ela lembrará de você com carinho. Abraços!

Ives disse...

A percepção do sofrimento alheio é um chamado divino! abraços

Hellz. disse...

OOOOOOOOOI

a sua percepção pra imagem escolhida também foi magnífica (comento isso desde o post anterior).
Só de saber que alguém se importa isso já acalma o coração e pode mudar todo o curso da vida de uma pessoa. Se foi verídico, parabéns pelo caráter lindo que você tem <3

beij
beinghellz.com

Teorias de Gi disse...

E eu sou dessas, e é difícil encontrar pessoas assim empáticas, eu gosto e como queria mais pessoas assim a minha volta. hoje ninguém esta nem ai com ninguém e isso é muito triste.

Que bom que estavas la e que por um momento a fez se sentir melhor.

Continue assim isso é raro e valioso mesmo q as pessoas não entendam ou estranhem!

bjusssss

Vitor Costa disse...

Pequenos gestos, sem pretensões maiores do que o bem-estar alheio, são fontes de momentos acalentadores para a consciência. Creio que você se sentiu muito melhor depois de falar com ela.

Muito bacana seu relato!

Beijos Nathalia!

Amanda Turmina disse...

Também não consigo ignorar alguém chorando, ou até mesmo aquele olhar de *algo de errado não está certo*. Admiro muito as pessoas que têm essa percepção, esse cuidado com o próximo!
bjs

Marcy Moraes disse...

A gente se sente triste e chora as vezes por motivos que nem nós entendemos, mas é muito bonito e muito confortante quando alguém tenta nos ajudar.

Blog Marcy Moraes

Selma Barbosa disse...

Não sou boa com conselhos ou abraços ou ajudar de qualquer maneira. Percebo, observo. Quase sempre fico horas com a mente trabalhando sobre o que se passa, mas quase nunca tenho a atitude de fazê-lo fisicamente. Às vezes é uma espécie de tortura não seguir o que a mente te comanda. Não sei se o que aconteceu foi o real, mas eu senti aqui. Nem precisa ser empatia.

Beijos do Conto Paulistano

HONORATO, Sandro disse...

Boa noite,
Tudo bem?

O mundo precisa de mais pessoas assim. Empatia. Quem tenta ajudar os outros sem esperar nada em troca. Ou como você disse, que tenham percepção.

Lindas palavras em mais um texto seu.

Beijos e tenha uma excelente semana
www.rimasdopreto.com

Helen F. disse...

A delicadeza no cinza das horas...

Anna Carollyne Oliveira disse...

Nathalia, você tem uma percepção incrível! Digo isso não só pelo que acabei de ler, mas pelos outros textos. E você deixa isso bem claro na escrita.
O título do seu texto me fisgou de um modo! Porque eu passei a enxergar que não é tudo sobre empatia, ter uma percepção diferenciada dos demais pode fazer sim uma baita diferença.

XOXO,
Cartas para Carolaine // @cartasparacarolaine

Luly disse...

Uau!
Eu não sei bem o que dizer... Primeiro porque fiquei pensando na moça chorando sem soluções para a própria vida e depois lembrei de um dia que eu estava chorando na rua (por um motivo bobo, mas que na época era grande coisa) e uma moça veio se oferecer pra me ajudar... E eu nunca mais vi ela na vida, e se visse não saberia quem é porque sequer lembro o rosto dela...
Sei lá, mas agora só consigo pensar nisso!