21 dezembro 2012

Story of a Man

Preciso escrever antes que esse sentimento passe.

 Minha prima mora na casa de baixo (mas não compartilhamos o mesmo quintal) e como toda boa família que se prese, briga entre cunhadas e irmãos é chavão. Com isso fui influenciada de uma forma indireta na convivência entre meus primos. Minha prima em especial é especial !.  
 Mesmo eu não indo em sua casa, ela sempre vinha me visitar e minha mãe com sua "desconfiança" achava que ela estava nos espionando para depois contar sua a mãe (minha tia). Faz aproximadamente 5 anos que não vou em sua casa.
 Obs: Eles moram na casa de baixo. Sempre fui bem educada, comprimento com  Bom dia ou boa tarde, sempre quando os vejo na rua.  Conforme o tempo foi passando as visitas da minha prima foi diminuindo, e claro, minha mãe Adorou. De imediato não senti falta, afinal ela mora "aqui ao lado". Passou 2 meses, percebi que minhas tardes estavam vazias; 4 meses, eu a ouvia conversar da janela da sala com suas novas amigas; 6 meses, eu a encontrei na rua, estava alta, cabelo curto estilo Chanel.  


Eu por ser a prima mais velha (digamos quase 5 anos), me sinto no "dever" de lhe aconselhar. Esses dias estive relembrando quando a implorei que parasse de ficar com meninos escroto, que usam aqueles óculos chamativos parecendo um espelho ambulante e sempre que fosse fazer sexo que usasse camisinha, amor não protege DST. E o principal, que parasse de ouvir funk. E lhe propus que fosse a igreja, não necessariamente na minha, mas que fosse.
 Estive relembrando tudo isso, e quando percebi, senti que ela estava fazendo falta, com sua risada sínica e piadinhas fora de hora. Um mês atras ela mandou sms,  me chamou pra sair até fiquei até surpresa, mas por conta de outros compromissos digo: trabalho em pleno sábado, não pude ir.
 Hoje ela me chamou em casa, minha mãe foi atender e voltou sussurrando (fica de olho nessa menina).
Coloquei um sorriso na cara e realmente fiquei feliz em vê-la, percebi que o nosso corte de cabelo é parecido. Sorrimos sem graça. 
_Nathy, me faz um favor? Confere se o carregador do seu Notebook entra no meu!, é que o fio da fonte soltou.
 Convidei para entrar, ela ficou meio acanhada, minha mãe ficou no sofá sentada ignorando-a fazendo crochê. Nesses 10 minutos que carreguei seu notebook, ficamos batendo papo o suficiente, para que eu pudesse perceber que ela se tornou mais mulher, perdeu a amizade com certas meninas que só estavam lhe afundando, adquiriu paixão assídua por livros e boa musica e hoje sente vergonha de assumir que já ouviu funk.

 Por indicação dela: 

             
 Esse lindo é Brasileiro.


Simplesmente incrível, essa musica e ela!

14 comentários:

Cristiano disse...

Sinto falta de alguns primos tb... mas principalmente dos meus irmaos... a gente cresce e cada um vai para um lado diferente. :(

ᄊム尺goん disse...

cada dia um dia.

tb sinto falta de meus primos.


bj

http://nosolhosaindafiaposdesonhos.blogspot.com.br/

Taiane Brito ;* disse...

sinto tanta falta da minha prima, fomos nos afastando com o tempo e hoje nada mais sabemos uma da vida da outra, logo ela que eu abria a boca e chamava de "irmã" :\
que bom que essa conversa com tua prima aconteceu, e melhor ainda se vocês voltarem ao que eram antes.
Beijo http://fatosevidenciasetrespontinhos.blogspot.com/

Larissa V. disse...

Que bom que tua prima mudou pra melhor. É chato ver pessoas que a gente gosta de 'afundando' e andando com 'gentalha'.
Isso já aconteceu comigo uma vez, mas não era família que brigou, mas sei lá, coisas interromperam uma amizade que eu tinha com uma colega de escola, e por causa de outras pessoas acabamos nos afastando.
besos

Marina Russo disse...

Durante a minha infância era muito ligada a alguns primos, só que com o passar tempo acabei perdendo totalmente o contato com eles. Hoje em dia se nos encontramos em reuniões de família sempre rola aquele silêncio constrangedor.
Eu fico triste de ver que eles seguiram um caminho nem um pouco legal, mas fazer o que né :/ Inclusive fiquei sabendo hoje que um deles bateu na mãe (!!!).
Ainda bem que sua prima acabou mudando pra melhor.
Beijos!

Lou disse...

Adorei seu blog,obrigada pela visita

seguindo

bjos

Bia Hain disse...

Naty, eu convivi de perto com minhas primas (embora elas não ouvissem funk) e sinto muitas saudades do tempo em que eu pegava minha bicicleta e ia passar a tarde de sábado na casa delas. Esses problemas entre parentes (por exemplo o da sua mãe) é lamentável. Espero que reforcem os laços da amizade, família é a única coisa que fica com o passar do tempo.
Desejo que seu final de ano seja nota 10! Um abraço!

Nicolas disse...

Pois é, as pessoas mudam. O problema é que mudar não apaga o que elas fizeram no passado. Não que a sua prima tenha sido escrota, afinal, com ela a mudança parece ter sido genuína.

Natalia Francis disse...

Eu tenho uma prima que costumava ser minha melhor amiga, a gente até chegou a ouvir e gostar das mesmas coisas, mas hoje nós duas mudamos, ainda conversamos e nos gostamos muito, mas já não temos nada além do parentesco em comum. Enfim, que bom que sua prima mudou pra melhor =)

Yuu disse...

É muito bom resgatar laços afetivos, principalmente entre a própria família. Eu tenho muito carinho pelas minhas primas, por isso imagino o quanto isso foi importante para vocês. Eu até me dou bem com as minhas pequenas, apesar das diferenças, o problema é a distância.

Bem! Fico muito feliz por você.
Feliz Natal. :)

Nati disse...

O tempo nos faz mudar e junto as nossas concepções e opiniões também... Beijo

Sifi -- Rafa (Hiper Friends) disse...

Que linda, um dos poucos posts q tenho paciência de ler inteiro. Vc é boa influência pois funk é o pior caminho q algm pode ter na vida! Espero q se aproximem mais :) Feliz ano novo!

Leka disse...

Ainda bem que ela mudou né!
Lembro-me, se não me falha a memória, de alguns relatos seus aqui sobre conselhos que vc deu.

Apesar das diferenças, espero que a amizade de vcs possa retornar pra valer!

bjs!

Luana disse...

Achei muito engraçado você falar dela ouvir funk, realmente eh uma coisa a se evitar... hahaha
Mas o tempo muda as pessoas, os gostos mudam e especialmente, as companhias trazem novas perspectivas. Quem sabe nao eh hora de voce virar uma pessoa mais presente e consequentemente uma boa companhia?